21 abril 2009


DIA DE(a) LIBERDADE

Aproximamo-nos mais uma vez da Comemoração do dia em que muitos puderam ver a luz do sol sem ter que olhar para trás das costas!O 25 DE ABRIL!
Muito se escreveu, viu e ouviu sobre o tema e continuará a acontecer, mas exprimo eu também por meu direito a minha reflexão actual sobre o mesmo:
Nasci 6 anos e uns meses pós 25 ABRIL, como tal não posso exercer qualquer comparação, mas deixem-me dizer que nunca me senti oprimido ou pressionado sobre qualquer posição ou decisão, seja político partidária, religiosa, desportiva ou meramente pessoal, no entanto em conversa com alguns familiares, e daqueles que já cruzaram mais de 80 Primaveras, pelo facto de terem vivido tantos anos ao abrigo da "velha senhora", faz-lhes muita confusão todo e qualquer estilo de vida actual!
Aquilo a que todos nós estamos habituados e tratamos diariamente como quem come um rebuçado: endividamento (carro, e casa pelo menos), fazer refeições fora a toda a hora, sair até às tantas... até aqui tudo normal! Depois passamos para o vandalismo pela pura vontade de o practicar, outro pela necessidade, até à toxicodependência a céu aberto e em espaços públicos (como escolas) passando pelo incremento das vicissitudes da sociedade (prostituição, sem abrigo etc...).
Dizem-me ainda que: "vivia-se mal, com pouco mas vivia-se e no seio familiar tudo girava em torno da felicidade interna!"
Com quase 60 anos de diferença parece-me que na altura vivia-se e hoje sobrevive-se! A liberdade que nos foi dada parece não estar a resultar e a ser utilizada em prol do benefício das populações!!! A libertinagem de outros quebra a liberdade dos mais comuns! Já vamos saindo de casa ainda de noite e regressamos já à noite (tal e qual como à sessenta anos), restando apenas tempo para o mínimo dos convívios familiares! Votamos e vemos o nosso voto transformado em punhal apontado à nossa garganta! Vemos uns senhores de esquerda a gritar "Viva o Abril" mas a exigirem estudos disto e daquilo, embargando postos de trabalho por aqui e por ali!!!
Muitos mais exemplos e pensamentos poderia referir, mas ficam aqui os mais básicos (aqueles que mais me transtornam)!

Cumprimentos a todos

9 comentários:

sandra disse...

Não concordo com nada do que foi aqui escrito.
Viva a liberdade e viva o 25 de abril.

Xavier de Sousa disse...

Cara Sandra

Qual liberdade? Aquela em que alunos agridem professores? Ou aquela em que somos assaltados ou vandalizados ficando o meliante impune? Mas se prefere aquela liberdade do fácil acesso às drogas e ao alcóol por parte de quem não deve ou pode, essa ainda é melhor não?
Atenção que eu sou a favor do 25 Abril e da Liberdade, mas faço distinção da libertinagem!!!

Cumps

Kikas S.O. disse...

penso que o grande problema está naquilo que as pessoas pensam que é a liberdade...

conversei com uns amigos, mais velhos, sobre o pós 25 de abril ao que eles afirmaram que Portugal caiu bem no fundo nos anos seguintes...

dizem que as praias eram vergonhosas, estavam cheias de lixo, td era permitido fazer, e se liberdade era igualdade pk k eu não podia ter uma praia limpa?
a reforma agrária foi o que foi... VERGONHOSAtive amigos que decidiram, sair de portugal por já não perceberem bem o que se passava com os ideiais de igualdade e da FRATERNIDADE que toda a gente canta em Grandula Vila Morena mas pouca gente sabe o seu verdadeiro significado. Penso que até aos inicios da decada de 90 Portugal andou meio perdido, sem rumo, sem nada.

CULPA DE QUEM??? não dos que fizeram abril, mas sim dos que nada fizeram e pensaram ter o mundo na mão.

GRANDE 25 DE ABRIL, aquele que foi idealizado mas não correu como desejado... Liberdade não quer dizer ANARQUIA...

após o 25 de ABRIL as vozes que fizeram a revolução cantaram "foi um sonho lindo que acabou, ouve aqui alguem que se enganou" e é verdade, a coisa não funcionou como era esperado.

Não foi perfeito, mas foi o melhor que conseguimos.

aqui fica uma carta aberta ao zeca afonso que fala sobre o que digo acima e já vão perceber o que tu, Xavier, estavas a dizer.

""Carta ao Zeca;

E se de todas as bocas saísse hoje a palavra liberdade?
E se saíssemos das casas conforto, comodismo
E na rua olhássemos a miséria de frente,
A hipocrisia que alastra,
O egoísmo do eu feito preocupação diária?
E se em vez de sobreviver
Vivêssemos?
E se a indignação fosse decreto,
Obrigatoriedade, dever cívico a cumprir?
E se a miséria fosse crime público
E quem a permite, julgado e condenado pela lei?
E se disséssemos ao Zeca:
Olha pá, tentámos manter Abril vivo
Mas os cravos hoje são todos sintéticos como a liberdade.
Olha Zeca, a malta perdeu a memória
Esqueceu a história e não vai em revoluções
Senta-se no sofá e faz zapping ao mundo.
E o povo Zeca, já não ordena
O povo, Zeca, esqueceu o que é fraternidade!""

É GENIAL NÃO É?

mesmo assim ainda penso que estamos no caminho certo porque como dizia o sábio António Aleixo "o mundo só pode ser melhor que até aqui, quando fizeres mais pelos outros que por ti" e as crianças de hoje vão ser os netos dos meus pais... os meus pais são da altura do 25 de Abril onde ninguem conduziu um pais... a minha geração olha para trás e vê que as coisas não foram bem feitas e ensinamos os nossos filhos a serem melhores pessoas... a escola tem feito um trabalho fantástico com as crianças (existe muito por fazer) uma vez que poucas são as que deitam papéis para o lixo, separam materiais, juntam tampinhas... ou o que quer que seja.

penso que se vai conseguir... mas não vejo isto a curto prazo...

vai demorar, MAS EU ACREDITO.

e mais uma vez não vai ser preciso de armas e desta vez nem cravos vão aparecer porque vai acontecer de forma natural...

se é utópico o que estou para aqui a dizer??? é possivel, mas é a minha convicção...

se não acreditar que é possivel, de que me serve lutar?


Um abraço primo

Kikas

entremares disse...

Não resisto a um pequeno comentário...

Nasci antes do 25 de Abril... e como tal, já alguns termos de comparação. Vivi no ultramar, agora independente, e como tal ganhei perspectiva sobre assuntos dos quais alguns falam... sem conhecimento.
E achei que era importante dizer isto:

"Não há mal que sempre dure, nem bem que sempre perdure". É um ditado velho, não é ? Mas os cravos também murcham, a memória é curta, e o povo deste país à beira-mar plantado tem uma memória curta, muito curta...
Dizem que somos de brandos costumes...

O certo é que hoje, em 2009, não há muito que comemorar. O certo é que todo o dinheiro das comemorações faria mais falta em locais que tomos conhecemos. Hoje, assaltam-se à mão armada supermercados... para roubar comida. Hoje, levam-se pessoas algemadas ao tribunal por terem sido apanhados a roubar duas galinhas. Hoje, deixam-se inpunes crimes de colarinho branco, enriquecimentos súbitos, corrupção, e muito mais coisas que todos conhecemos.

Muito bem, comemoremos. Mas o quê ?
Uma certa ideia de liberdade ?
Muito bem, vamos a isso, comemoremos.
Somos mais livres ? Alguns...
Somos mais ricos ? Alguns...
Somos mais felizes ? Alguns...

Vou só citar José Régio.

"Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!"

Assim ando eu, neste 25 de Abril...

Xavier de Sousa disse...

Primo Kikas

Também eu transporto essa tua esperança, e agor que sou pai, mais do que nunca fez e fará sentido poder escolher que educação transmitir aos meus descendentes!
Excelente reflexão a tua!!!

Grande abraço!

Xavier de Sousa disse...

Caro Entremares

Percebo, ainda que com uns anos de diferença certamente, e assino por baixo o seu pensamento! O "desnorte" que nos vem de todas as fontes de poder (desde a governação à justiça, passando pelas autoridades)leva-nos a pensar se ainda fará sentido commemorar esta Primavera de Abril cada vez mais cinzento!
Até já o nosso actual Presidente da República questiona se vale a pena comemorar assim o 25 de Abril!!!

Cumps

Anónimo disse...

acredito que qd se é pai a educação ganha um outro sentido, uma outra força.

é preciso trabalhar no sentido de ser maior e melhor

um abraço para ti e para a familia.

kikas

Anónimo disse...

A verdade é mesmo essa...
Todos esquecemos que só temos liberdade até não interferir com a liberdade dos outros.

Fatum disse...

vizinho! voltei!
mil beijos